Jornada TOTVS promove debate sobre Transformação Digital no Agro

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Diante das constantes transformações do agronegócio, é preciso debater sobre a digitalização do processo produtivo e sobre o papel dos profissionais enquanto sujeitos dessa transformação. Esse é o objetivo do primeiro debate da Jornada TOTVS para mulheres do campo, que tem como tema a “Transformação Digital no Agro” 

Texto: Marluce Corrêa Ribeiro – Jornalista e Redatora do Portal Agromulher

Mas afinal, o que é essa tão falada transformação digital do agro?  

Quando falamos em transformação digital no agro, o que vem à sua cabeça? Acesso à internet? Plataformas de controle de dados? Máquinas super tecnológicas? Muito bem! O raciocínio é por aí mesmo. Mas é importante lembrar que a transformação digital no agro vai muito além de tudo isso. Essa transformação envolve um processo constante de geração de inteligência através de dados, informações, controle e gerenciamento de indicadores. É otimizar tempo e recursos. É inovar em prol de rentabilidade e em busca de uma atividade sustentável. A transformação digital no agro passa pela gestão de pessoas, pela capacitação e constante otimização, pela utilização das máquinas e da inteligência artificial em prol do Homem e de propósitos maiores dentro do agronegócio. 

Essa transformação digital no agro é uma realidade e foi intensificada pelo momento em que estamos vivendo. Cada vez mais sensores, drones, softwares, sistemas de gestão, aplicativos, pulverizadores, tratores e colheitadeiras automáticas tem tomado conta das lavouras. As empresas têm buscado inovar os processos a fim de conquistar maior autonomia, eficiência e otimização de pessoas e recursos. E com a geração cada vez mais intensa de dados e informações, serão necessárias novas tecnologias de informação e comunicação para analisar tudo isso e trazer, cada vez mais, soluções que ajudem o produtor na tomada de decisão rápida e eficiente.  

Quando falamos em transformação digital no agro, é necessário entender também que os benefícios da incorporação de inovação e a interação entre os elos da cadeia podem abranger todas as cadeias produtivas agrícolas, impactando os produtores rurais, fabricantes de insumos, processadores, distribuidores e consumidores.  

Diante desse cenário de constante transformação, muitas são as mudanças diárias que acontecem na velocidade de um mundo conectado. E é por isso que te pergunto: diante de um agro que se transforma cada vez mais nessa era digital, como você enxerga a chegada dessas tecnologias no campo? Como você acredita que o agro tem se beneficiado dessas inovações? O que você enxerga como potencial para empresas e produtores no que diz respeito às melhorias no processo produtivo por meio da transformação digital? 

Essas e outras respostas iremos debater na Jornada TOTVS para Mulheres do CampoCom a mediação de Vanessa Sabioni (CEO e fundadora da Agromulher), Helen Cavalcante, gerente CSC & TI da Agro Amazônia é convidada a debater com a especialista Angela Gheller, diretora dos segmentos de Manufatura, Logística e Agroindústria da TOTVS, sobre as inovações promovidas pela Transformação Digital no Agro. 

O debate ocorrerá na próxima quarta-feira (01/09), às 17 horas, com acesso gratuito, diretamente no nosso canal do YouTube, com o tema “Transformação Digital no Agronegócio”. 

Você não pode perder essa oportunidade para entender sobre como o agro tem recebido essa transformação digital e como podemos estar preparados para sermos os profissionais que esse mercado precisa! Aguardamos você! 

Sobre as participantes 

Foto de Angela GhellerAngela Gheller Telles é diretora dos segmentos de Manufatura, Logística e Agroindústria da TOTVS desde janeiro de 2017. Com o desafio de planejar e executar projetos que viabilizem a transformação digital dos clientes, a executiva lidera as demandas por inovação e estimula processos cada vez mais ágeis e flexíveis para atender às necessidades dos setores. Em 2018 assumiu também o segmento de Agroindústria da TOTVS.

A diretora ingressou na unidade de Joinville da companhia, há mais de 10 anos, como gerente de desenvolvimento de produto nas áreas de desenvolvimento, suporte e implantação. Trabalhou na liderança de equipes multidisciplinares, envolvendo especialistas em desenvolvimento de software e negócios. Também atuou por quatro anos como gerente de suporte técnico na TOTVS. 

 Antes disso, a executiva trabalhou por mais de três anos como coordenadora de sistemas na Logocenter, empresa adquirida pela TOTVS em 2005, onde entrou como programadora e analista de desenvolvimento. A diretora é formada em Processamento de Dados de Software e Aplicativos pela Universidade Estadual de Santa Catarina (UDESC) e possui MBA em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). 

Helen Cavalcante é Gerente CSC & TI da Agro Amazônia. Com formação em Processamento de Dados pela UEG e MBA em Gestão de Projetos pela FGV, atua como executiva de TI na Agro Amazônia. Atua há 30 anos na área de Tecnologia da Informação, sendo 20 anos como líder desenvolvendo projetos estratégicos fundamentais que levaram a empresa à vanguarda no uso de tecnologias no Estado do Mato Grosso. É Presidente da SUCESU-MT (Associação Brasileira de TI) durante o período 2020/2021 e é líder do Comitê DX na Agro Amazônia, responsável por iniciativas digitais para clientes servidores e processos internos.

 

A mediação do debate será por conta da nossa querida CEO e fundadora da Agromulher, a Eng. Agrônoma Vanessa Sabioni. CEO e Fundadora AgroMulher. Engenheira Agrônoma e Mestre em Fitopatologia. Filha e Neta de produtores rurais, Vanessa sempre permeou o ambiente agro e após a conclusão dos estudos, ela iniciou sua carreira no Agronegócio. Há quase cinco anos ela está empreendendo com a AgroMulher, a maior plataforma de capacitação e networking de mulheres do agro. Vanessa também é Agro Influencer e Consultora em marketing estratégico. 

Aguardamos você lá! 

Compartilhar.

Sobre o Autor

A Rede Digital AgroMulher nasceu com o propósito de gerar resultados por meio da democratização de informações de qualidade e, assim, promover o crescimento de profissionais ligados ao agronegócio.

Deixe Seu Comentário